Aliens? Conheça a verdade por trás dos círculos que aparecem nas plantações

Sabe aqueles círculos misteriosos que vira e mexe aparecem em plantações mundo afora? Como você sabe, eles surgem de uma hora para outra e muita gente juramento de pés juntos que são obras de seres alienígenas que vêm ao nosso planeta em visitas periódicas — e mostrariam os locais utilizados pelos extraterrestres da maneira que campo de pouso de suas naves. Veja um exemplo típico desses círculos a seguir:

Nasce um fenômeno

Relatos históricos apontam que os enigmáticos círculos aparecem por aí não é de hoje, tanto que um dos primeiros incidentes documentados ocorreu na Inglaterra em 1678 e acabou sendo atribuído a uma indivíduo lendária chamada “Demônio Ceifador”. Já a relação entre as intrigantes formações e os viajantes intergalácticos só foi intercorrer séculos mais tarde, em 1966, quando um desses círculos foi revelado em uma herdade na Austrália.

Na idade, o possessor da propriedade garantiu às autoridades que o círculo havia sido produzido por um disco voante — e, da maneira que você pode imaginar, a história virou manchete no mundo. Investigações posteriores apontaram que a formação provavelmente era resultado de um fenômeno procedente, da maneira que um vórtice ou uma tromba d’chuva, por exemplo, mas já era tarde demais, pois a conexão entre os misteriosos padrões e os aliens já estava criada.

Confissão

Em meados dos anos 70, os círculos começaram a pipocar pelo interno da Inglaterra, no início mostrando padrões muito simples. Os desenhos foram aumentando em dificuldade gradativamente ao longo dos anos e, nos anos 90, eles se transformaram em um verdadeiro fenômeno, com mais de 500 incidentes registrados e atribuídos aos extraterrestres!



Então, em 1991, a dupla de ingleses Doug Bower e Dave Chorley veio a público e confessou que vinha produzindo círculos em plantações britânicas desde 1976. Esses caras costumavam se encontrar todas as sextas em um pub para tomar e jogar conversa fora, até que, um dia, inspirados no caso do quinteiro australiano (e depois tomar umas cervejas demais), eles tiveram a teoria de trespassar criando padrões pelo país e se divertir com o resultado.

Segundo a dupla, eles geralmente produziam os círculos às sextas depois de trespassar do pub, e o combinado era que eles levariam seu segredinho maroto à cova. Os dois se divertiram um mica criando as formações — e com as notícias de que elas eram evidências que a Terra era visitada continuamente por extraterrestres.

Logo que os círculos começaram a gravar as manchetes, vários especialistas foram chamados pela mídia para explicar o fenômeno e, além de serem consideradas obras alienígenas, as formações também chegaram a ser atribuídas a entidades sobrenaturais, fantasmas, espíritos enfurecidos com a humanidade e até à ira de Deus!

É evidente que os ingleses riram muito de tudo isso — e teriam continuado rindo se não fosse pela esposa de Bower, que começou a checar a quilometragem do sege do marido e a duvidar que ele estava tendo um caso amoroso.

Legado

Os ingleses contaram que começaram a fazer os círculos um pouco depois de essas formações se tornarem uma febre no mundo e escolheram uma região na Inglaterra notória pela suposta atividade OVNI para produzir os primeiros. Segundo revelaram, eles usavam uma estaca de madeira para marcar o meio do círculo, uma corda para obter o relâmpago e uma tábua para achatar a plantação — e inclusive fizeram diversas demonstrações públicas de da maneira que os padrões eram produzidos.

Com a confissão, a mídia deu o mistério da maneira que solucionado, e vários grupos (de terráqueos!) que se dedicam a produzir desenhos em campos surgiram pelo mundo. Infelizmente, Chorley acabou falecendo em 1996, enquanto Bower decidiu continuar com suas criações até o ano de 2004 — e até hoje persiste a associação dos intrigantes círculos e a suposta atividade forasteiro no nosso planeta.

© 2019 Luís Eduardo Alló | Fórum | WikiAlló | Social | Privacidade| contato | Sobre |

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Luís Eduardo Alló