Pular para a barra de ferramentas
Conspiração

Iniciação subversiva

Normalmente os hábitos padrões de iniciação livre seria de pegar pessoas dispostas a assistir e(ou) participar de orgiais sem se escandalizar vendo nisso como algo comum, a apatia e a conduta moral e sexual ambígua e duvidosa é necessária para que possa se introduzir de modo mais fácil os ensinamentos subversivos de equivalente ocultismo, sendo essa normopatia insensível a vaselina da imoralidade e a anti-ética necessárias para a iniciação as práticas da magia sexual, por exemplo.

Porém, não todos são assim iniciados, pessoas os quais estes consideram imprescritíveis são muitas vezes subjugados a força e há em quem diga sexualmente, levando a termos populares atuais como “aceita que doí menos” que remente não menos a uma versão agressiva do extremismo islâmico que obriga suas vítimas aceitarem Alá. Uma vez compreendendo que tais crenças são não somente nocivas e venenosas aos bons costumes observamos igualmente que elas são contra as liberdades individuais se tornando muitas vezes taxas de cobrança por coisas que constitucionalmente seriam direitos comuns a todos, e a esse ponto considerar-se-á um tumor na sociedade espalhando injustiças, corrupção e etc.

Uso de modo escarnecedor de figuras bíblicas e cristãs são comuns a isto, mas ao contrário do que se prese mais do que meramente um sincretismo, mas uma subversão dos valores cristãos através de seus ícones. Os rituais comuns de iniciação em sociedades secretas segue uma série de normativos, regras e juramentos sendo o oposto desse tipo de iniciação por meio de coação ainda que prefigura de modo similar em encenações os rituais de iniciação em tais sociedades secretas onde os juramentos são sob pena de “cortarem a língua fora, enterrar de ponta cabeça na areia” e etc. Ainda que comumente digam se tratar apenas de uma tradição encenada, observa-se a prática velada disso aos que são iniciados fora de tais sociedades secretas, e mesmo aos de dentro por uma corrente subterrânea, conforme menciona Umberto Eco.

O ato iniciação normalmente é por meio de coito anal por ser ao que está as portas, a figura fálica de Baphomet, o andrógeno ser patrono do movimento gay no mundo, levando alguns, mais precisamente da igreja, mencionarem uma “ditadura gay”. Todos que são íntegros, honestos, defensores dos bons costumes estão em sério risco mediante essa doutrina infernal e não por menos perseguidos pela inversão moral e falência moral tão almejada por tais subversivos.

Deixe uma resposta

Fechar
Fechar