Como seriam as 7 Maravilhas do Mundo Antigo se fossem construídas hoje

Curtir
Curtir Amei Haha Wow Triste Raivoso

Sabe as 7 Maravilhas do Mundo Antigo, né? Só para refrescar a sua memória, elas são o Mausoléu de Helicarnasso e o Templo de Ártemis, ambos construídos em Éfeso, atual Turquia, o Colosso de Rodhes, levantado na Ásia Menor, os Jardins Suspensos da Babilônia, que ficavam no território que hoje corresponde ao Iraque, a Grande Pirâmide de Gizé e o Farol de Alexandria, ambos no Egito, e a Estátua de Zeus, que foi esculpida na Grécia – e dessas obras espetaculares todas, a única que sobreviveu mais ou menos intacta à passagem dos milênios foi a Grande Pirâmide de Gizé.

Das demais maravilhas arquitetônicas e artísticas construídas na Antiguidade, sobraram somente registros históricos ou ruínas e, embora permaneça pé – e continue firme e poderoso –, nem mesmo a Pirâmide manteve a majestosa venustidade original. Pois se você, assim tanto quanto nós cá do , adoraria ver tanto quanto essas construções eram em suas épocas áureas, logo você vai curtir as reconstruções digitais que reunimos logo mais e que revelam as 7 Maravilhas do Mundo Antigo em todo o seu esplendor.

Reconstruindo o pretérito

As imagens foram desenvolvidas a pedido do pessoal da Budget Direct, uma companhia de seguros australiana, e não consistem em simples reconstruções aleatórias. Na verdade, um time de pesquisadores foi detrás de registros históricos, levantamentos arqueológicos, descrições deixadas por historiadores da Antiguidade, informações sobre materiais utilizados, medições etc. e, basicamente, colheu todo tipo de informação a saudação das construções.



Depois, a equipe encaminhou o material aglomerado a um par de designers da espaço de arquitetura – que usaram os dados para fabricar versões tridimensionais das obras tanto quanto se elas ainda existissem em sua forma original nos locais onde foram construídas. O resultado de todo esse trabalho, tanto quanto você poderá ver a seguir, é muito, muito bacana, já que, além de se tratar de reconstruções que tentam mostrar a figura das Maravilhas do Mundo Antigo da forma mais próxima da veras verosímil, as imagens trazem de volta à vida, ainda que digitalmente, estruturas que, com exceção da Grande Pirâmide, não existem mais. Confira!

1 – O Mausoléu de Halicarnasso

O Mausoléu de Halicarnasso foi uma tumba construída para homiziar o corpo de Mausolus – daí a origem do nome desse tipo de estrutura –, sujeito que foi governador da província de Helicarnasso, na atual Turquia, durante o Primeiro Império Persa. O prédio foi projetado por arquitetos gregos e levantado entre os anos de 353 e 350 a.C. a pedido da viúva (e mana do sujeito), Artemisia II de Cária, e tinha por volta de 45 metros de fundura, mas acabou ruindo por conta de vários terremotos que ocorreram entre os séculos 12 e 15.

2 – O Templo de Ártemis em Éfeso

É uma verdadeira proeza que ainda restem ruínas do Templo de Ártemis em Éfeso, uma vez que o prédio não foi destruído uma, nem duas, mas 3 vezes no pausa de 7 séculos! Construído no século 6 a.C., o santuário contava com 127 colunas de mármore, com 20 metros de fundura cada uma, e a primeira devastação se deu 200 anos em seguida a sua inauguração, por conta de um incêndio provocado por rostro chamado Herostratus. O templo foi reconstruído por ninguém menos que Alexandre, o Grande, mas atacado novamente pelos Góticos, e a última devastação ocorreu pelas mãos dos cristãos que invadiram a região. Para piorar, o sítio foi atingido por diversos terremotos ao longo dos anos, e hoje só existe uma pilar ainda em pé.

 

3 – A Estátua de Zeus em Olímpia

Pense em uma estátua majestosa, medindo entre 10 e 15 metros de fundura, coberta com painéis de ouro e placas feitas de marfim. Assim era a Estátua de Zeus em Olímpia, esculpida no interno do Templo de Zeus no ano de 435 a.C. A obra não existe mais, mas não pense que ela foi desmantelada e os materiais preciosos que a embelezavam roubados! A estrutura médio era feita de madeira e, infelizmente, foi completamente destruída durante um incêndio que atingiu o santuário no século 5.

4 – Os Jardins Suspensos da Babilônia

Embora existam relatos históricos sobre os famosos Jardins Suspensos da Babilônia, até hoje a sua localização exata e existência é debatida, uma vez que ninguém conseguiu encontrar vestígios arqueológicos que respondam a essas questões. Independentemente de que eles tenham sido reais ou não, segundo os registros, a estrutura foi construída em qualquer lugar do que hoje é o Iraque e que consistia em uma série de terraços de pedra cobertos de vegetais construídos de forma a parecerem montanhas.

5 – O Colosso de Rhodes

Imagine enxergar uma imensa estátua de bronze na ingresso de um porto – e ter que passar debaixo dela para poder ancorar. Esse era o Colosso de Rodes, que tinha 32 metros de fundura e ficava sobre dois pedestais de 15 m cada. A obra foi erguida para comemorar a vitória durante o cerco a Rhodes, entre os anos de 305 e 304 a.C., e acabou ruindo em decorrência de um terremoto que atingiu a região em 226 a.C.

6 – A Grande Pirâmide de Gizé

Engraçado tanto quanto a estrutura mais antiga da lista das 7 Maravilhas do Mundo Antigo é a única que sobreviveu mais ou menos intacta. A construção da Grande Pirâmide de Gizé foi concluída por volta do ano de 2,6 1000 a.C., o que significa que a obra tem mais de 4,5 1000 anos, e ela se manteve tanto quanto prédio mais tá do mundo até o século 14 – quando a Catedral de Lincoln, na Inglaterra, lhe roubou o título.

7 – O Farol de Alexandria

Outra instituição que provavelmente esteve entre as estruturas construídas pelo sujeito mais altas do mundo foi o Farol de Alexandria, no Egito. Segundo apontam os levantamentos, o prédio provavelmente tinha mais de 130 metros de fundura, e foi levantado entre os anos de 284 e 246 a.C. Infelizmente, o farol não sobreviveu à passagem do tempo, e suas ruínas só foram descobertas por arqueólogos no início do século 20.

Curtir
Curtir Amei Haha Wow Triste Raivoso

© 2019 Dudu Alló | Fórum | WikiAlló | Social | Privacidade| contato | Sobre |

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Luís Eduardo Alló