A Alegoria da Caverna e a Matrix

Neo, durante toda a sua vida, de forma inconsciente percebia que havia algo de errado com o mundo a sua volta, e por vezes tinha a impressão de estar sonhando, o que se confirma quando ele se encontra com Morpheus, a partir desse ponto, o personagem enfrenta um processo de desconstrução daquilo que ele até então pensava ser a realidade.



De acordo com Platão, o nosso mundo é formado por sombras, por manifestações imperfeitas da plenitude que enxergamos de dentro de uma caverna, estamos alheios a verdade absoluta, assim como as pessoas dentro da matrix, essa ideia de que o mundo real é uma ilusão, é representada pela Alegoria da Caverna, explorada na obra “A República – Diálogo Socrático” de Platão, é nesta obra que Platão defende que por meio da luz da verdade podemos nos libertar da condição de escuridão que nos aprisiona.

A Alegoria da Caverna fala de prisioneiros que desde o nascimento estão acorrentados ao interior de uma caverna e que só conseguem ver o que está a sua frente, que é uma parede iluminada por uma fogueira, de tempos em tempos, algumas pessoas carregando alguns objetos passam em frente a essa fogueira e a luz proveniente dela projeta as sombras desses objetos na parede, como estátuas, animais, plantas e etc, dessa forma os prisioneiros da caverna são limitados a enxergar apenas as sombras exibidas na parede, essa é a verdade dos prisioneiros da caverna, eles sequer são capazes de conceber outra forma de realidade, mas em um determinado dia, um dos prisioneiros é forçado a sair da caverna e explorar o mundo fora dela, embora receoso, ele não demora para ele entender que tudo o que ele conhecia como verdade era apenas o fruto da luz de uma fogueira, percebei que durante toda a sua vida, conheceu apenas sombras e ilusões, e portanto nunca teve contato com a verdade. A experiência desse prisioneiro é a metáfora pela qual raros humanos se libertam das aparências de um mundo físico, com a ajuda da filosofia, eles acabam entendendo a realidade.

Platão dizia que aqueles que foram libertados da caverna e que percebiam a verdadeira realidade tinham o dever de ensinar aos outros o caminho para o conhecimento, assim como Morpheus faz no filme Matrix, ele pode ser a representação do prisioneiro que se libertou da prisão subterrânea, uma vez que Morpheus perpetua a responsabilidade que é proferida pelo filosofo, sempre passar a informação adiante, ensinar e libertar mais e mais pessoas.

Neo é ensinado a se libertar das limitações que lhe haviam sigo impostas desde o nascimento e percorre a jornada que deveria fazer, até ele se sentir o iluminado. Quando isso acontece, ele toma para si, a tarefa de salvar a humanidade da total ignorância e da falta de aceitação da realidade.

Existem dois mundos para Platão, o mundo real que é perfeito por ser real, onde reina a verdade absoluta e o mundo das ideias que é inteligível e sensível, que não passa de uma tentativa imperfeita de produzir a verdade.




© 2019 Luís Eduardo Alló | WikiAlló | Social | Privacidade| contato | Sobre |

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Luís Eduardo Alló