Como funciona a “Janela de Overton”

E se você descobrisse que tudo em que você acreditou até hoje não passa de uma grande farsa? Que a roupa que você veste todos os dias pela manhã, assim como o carro que você dirige não são escolhas suas? Que o governante que você elegeu na última eleição para comandar sua cidade e seu país também não depende de você? E se chegasse à conclusão de que toda autonomia e livre-arbítrio que você julga ter, na verdade, atendem a um outro comando que não as suas ideias e a sua própria vontade?

O termo “Janela de Overton” é uma homenagem a Joseph P. Overton, que criou um modelo para demonstrar como um pequeno grupo de pensadores pode mudar intencional e gradualmente a opinião pública. A Janela de Overton é o leque de idéias “aceitáveis” na sociedade.

É no deslocamento da Janela de Overton para posições que sejam de interesse de determinados grupos que está aplicado um esforço altamente profissional, que faz parte do que se convencionou chamar de engenharia social, o ato de influenciar uma pessoa para que ela execute ações que não sejam necessariamente de seu (dela) melhor interesse.

Para deslocar a janela de opinião da posição de proibido para a menos proibido, neutro e permitido, é preciso desviar o foco do assunto principal para algum outro valor relacionado ao tema. Para isso aciona-se um batalhão de especialistas em opinião pública: técnicos, cientistas, assessores de imprensa, relações públicas, institutos de pesquisa, celebridades, professores, jornalistas, etc.



Exemplo: alguém (não tiro da cabeça que foi o Ministro do Marketing, Zé das Couves), achou que realizar a Copa do Mundo e Olimpíadas em nosso país seria uma excelente jogada política. Imediatamente surgiu uma reação contra, daqueles que sabem que precisamos resolver problemas básicos de educação, saúde e infra-estrutura antes de investir bilhões na construção de estádios. O que fizeram os engenheiros sociais? Evitaram qualquer menção ao deslocamento do dinheiro de uma área prioritária para outra não prioritária e, usando a imprensa, desviaram a discussão para o orgulho do brasileiro, para a oportunidade de mostrar ao mundo como somos bons, deslocando a Janela de Overton do contra a copa para o neutro ou a favor. Transformaram os do contra em anti-brasileiros, pessimistas e mau agourentos. Anestesiaram a população, até ficar claro que as promessas não se realizariam, que o legado seria uma coleção de elefantes brancos e que os orçamentos originais explodiriam. Então a Janela de Overton retornou à posição original, contra a copa, e os indignados foram às ruas.

Como funciona a “Janela de Overton”

Primeira etapa: do impensável ao radical: Atualmente, é claro, a questão da legalização deste tema se encontra no nível mais baixo de aceitação na «janela de possibilidades» de Overton, já que a sociedade o considera um fenômeno absurdo e impensável, um tabu. Para mudar essa percepção, pode-se, amparando-se na liberdade de expressão, transferir a questão à esfera científica, pois para os cientistas normalmente não há temas tabus.

Segunda etapa: do radical ao aceitável: Nesta etapa, é preciso continuar citando os cientistas, argumentando que ninguém pode negar-se a ter conhecimentos sobre o tema.

Terceira etapa: do aceitável ao sensato: Os adversários reais desses conceitos, isto é, o cidadão comum que não quer ser indiferente ao problema, intencionalmente se convertem para a opinião pública em inimigos radicais, cujo papel é representar a imagem de psicopatas enlouquecidos, opositores agressivos do tema.

Quarta etapa: do sensato ao popular: Os meios de comunicação, com a ajuda de personalidades famosas e de políticos, já falam abertamente sobre o tema em filmes, letras de música popular e vídeos.

Quinta etapa: do popular ao político: Esta categoria implica em já começar a preparar a legislação para legalizar o fenômeno.

© 2019 Luís Eduardo Alló | Fórum | WikiAlló | Social | Privacidade| contato | Sobre |

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Luís Eduardo Alló