O Segundo Sexo – Simone de Beauvoir

Escrita em 1949, O segundo sexo é a obra mais conhecida de Simone de Beauvoir. Sua publicação gerou um escândalo em diversos âmbitos porquê o da Igreja católica (foi incluída na lista de publicações proibidas) e o do governo da União Sovimoral.

Quando o livro apareceu, já estavam superadas – por ter obtido seus objetivos — as reivindicações sufragistas. Simone de Beauvoir expõe o desenvolvimento da vexame masculina por meio da estudo da história, da literatura e dos mitos, atribuindo os efeitos contemporâneos dessa vexame ao vestimenta de ter-se estabelecido o masculino porquê norma positiva.

O mundo masculino apropriou-se do positivo (ser varão) e do neutro (ser humano) e considerou o feminino porquê uma particularidade negativa, a fêmea. Em consequência, a mulher foi identificada porquê “o outro”, o que levou a uma perda de sua identidade social e pessoal. O sexo feminino é restringido pelo conjunto inteiro do patriarcado.

A obra tem dois volumes. No primeiro, Simone apresenta fatos e mitos sobre as mulheres, analisando múltiplas perspectivas, incluindo a biológica, a psicanalítica, a materialista, a histórica, a literária e a antropológica. A autora esclarece que nenhuma delas é suficiente para definir a mulher, mas cada uma delas contribui para dar uma definição da mulher porquê a “outridade”, “o outro” diante do masculino.

O segundo volume começa com a famosa asseveração: “Não se nasce mulher, toma-se mulher“. Simone de Beauvoir procura mostrar o sem razão da asseveração de que as mulheres nascem “femininas” e devem ajustar-se ao que esse concepção supõe, em seu tempo e sua cultura.



Por meio da estudo dos papéis de esposa, mãe e prostituta, ela mostra porquê as mulheres, em vez de realizar-se por meio do trabalho e da originalidade, são obrigadas a seguir vidas monótonas, tendo filhos, cuidando da vivenda ou sendo meros receptáculos da libido do varão.

A pensadora propõe uma série de demandas para conseguir a emancipação feminina. A mais importante é que se permita, à mulher, realizar-se por meio de projetos próprios, com todos os perigos e incertezas que eles possam acarretar. É inegável a influência de Simone de Beauvoir porquê precursora do feminismo na filosofia política.

© 2019 Luís Eduardo Alló | Fórum | WikiAlló | Social | Privacidade| contato | Sobre |

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Luís Eduardo Alló